Este é um blog sobre direitos animais e veganismo, abordados a partir da experiência de quem não sabia quase nada a respeito até o dia em que.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

A última prateleira

Quanto se inicia qualquer discussão envolvendo direitos animais e veganismo, é batata que aparecerão muito espontaneamente alguns argumentos que, embora rasinhos que só e pobres de marré, podem surgir tanto na boca de pessoas pouco esclarecidas quanto na de gente muito bem preparada para qualquer debate. É que esses argumentos não se mantêm dentro de nenhuma fronteira de nível de escolaridade, classe econômica ou de qualquer outro divisor sociocultural. Estão disseminados por tudo e todos como um bem comum, à disposição, e podem acabar sendo, num momento ou outro, acionados por qualquer um de nós. Alguns deles já tive como meus, e outros li por aí ou pude ouvir boquiaberto, mas pego tão "de surpresa" que não consegui rebater de imediato. Talvez não exatamente pela surpresa: podemos ficar desarmados não pela força desse tipo de argumento – que é sempre lugar-comum –, mas pela força da facilidade automática com que ele surge, por mais absurdo ou contraditório que seja. Acho isso uma incrível evidência do poder da naturalização das idéias. É certo que as coisas que temos como corretas não precisam ser necessariamente fruto de conclusões elaboradas. No final das contas, a maior parte dos fundamentos conceituais da nossa vida cotidiana parece mesmo estar guardada lá na última prateleira da estante. "Alguém" os colocou lá, e ainda que visitemos a estante várias vezes por dia trocando um livro por outro, a última prateleira segue intocada, acumulando pó. Uma vez trazidos para o debate, os pobres e rasos argumentos não resistem ao menor exame, mas alcançar a última prateleira é que são elas.

Aproveitando o carnaval pra revisar o pó da
minha, sua, nossa última prateleira, elenco abaixo alguns desses argumentos, seguidos das respostas que muito sinceramente eu acho que eles de fato merecem. Na boa.


A evolução naturalmente nos colocou no topo da cadeia alimentar
E por "cadeia alimentar" entenda-se qualquer cadeia de supermercados onde nós, os predadores, vamos caçar nosso alimento armados de cédulas, cheques ou cartões de crédito. Bem naturalmente.

Animais matam outros animais para comer
É verdade. Coisa mais linda é ver no National Geographic Channel os leões manejando suas criações de impalas, inseminando-os artificialmente, dando vacina e hormônio. Ou os macacos da Amazônia, superinteligentes, abrindo a floresta pra fazer pasto pro gado: tem coisa mais comovente?

O ser humano é onívoro
Todos sabem que devemos obviamente comer de tudo. Carniça. Bambu. Água-viva. Cocô. Baconzitos. Plástico.

Então não podemos também comer as plantas
Isso mesmo, e devemos lembrar de outras lutas importantes: não criar o trigo em confinamento; não separar os filhotes de alface da mãe logo após o nascimento; não impedir a vida social das maçãs. E nem me fale da crueldade dos casacos de pele de feijão e dos circos de brócolis amestrados.

Mas e as crianças?
Vão bem, obrigado.

Se "tudo" tem vida, então a preservação apenas da vida animal é hipócrita ou ignorante
Logo só temos duas opções: ou preservamos a vida onde quer que ela se manifeste ou assumimos de uma vez que podemos acabar com ela sempre que desejarmos. Em outras palavras, você escolhe entre viver de luz ou matar quem quer que atrapalhe seu caminho. Tomar um antibiótico é uma atitude moralmente equivalente a estourar os miolos daquele espertinho que fura a fila do cinema. Quer dizer, quase, né?: o antibiótico mata muito mais vida.

Simplesmente não consigo parar de comer carne
Eu também simplesmente não consigo parar de olhar para as suas carnes, benzinho!

Os direitos animais são apenas mais uma invenção humana
Em contrapartida, o churrasco só pode mesmo ter sido inventado por Deus. Ou pela estátua do Laçador.

Precisamos de proteína e cálcio

Sim, e só há proteína nas carnes e só há cálcio no leite. E também só há uma verdade nutricional, justamente aquela referendada pelos produtores de carne e a indústria de laticínios.

Comer carne é uma tradição cultural que deve ser mantida
Pode crer: aqui na caverna da minha família, nos orgulhamos de manter a fogueira ininterruptamente acesa há uns 50 mil anos. O fogo, além de calor, fornece uma boa iluminação. Amanhã devo acabar a pintura de mais um bisão. Vai ficar lindo de morrer.

O estilo de vida vegano é muito radical
Não é? Pense bem: a própria pessoa racionalmente se responsabilizar pela sua dieta e seus hábitos de vida levando em consideração o impacto que causa aos outros e ao meio é praticamente um rafting, um bungee jumping, um rapel no Salto Ángel. Gente louca.

Deus criou os animais para que nos servissem de alimento e vestuário
Exatamente como demonstrado por Charles Darwin.

Defensores dos direitos animais são caga-regras mal-humorados
Ô pessoalzinho chato! Se levam tão a sério e são tão insuportáveis quanto os defensores dos direitos humanos. Mas não me entenda mal: é evidente que sou a favor dos direitos humanos. Pra humanos direitos, é claro.

[ a imagem que ilustra o post é da Biblioteca Joanina, na Universidade de Coimbra, Portugal ]

12 comentários:

Anônimo disse...

Quase fiquei com bronquite de tanto rir. Absolutamente hilário.

Cláudio Godoy

Cleber disse...

Valeu, Cláudio, e gracias pela visita!

Elaine disse...

Cleber, fiquei fã do V de Vegano... Parabéns pelo blog!

Abraço!

Cleber disse...

Obrigado, Elaine, e parabéns pra você também: gostei muito do Cantinho Vegetariano, e tomei a liberdade de colocar um link pra ele, OK? Abração!

Camila disse...

Muito bom!!!

Cely disse...

Adoreeei o blog, estou lendo todas as postagens, muito bom mesmo :]

Cleber disse...

Camila e Cely, obrigado e voltem sempre! ;)

Andréa N. disse...

Hahaha, excelente, Cleber!! Eu bem que estava precisando.

Maria de Nazareth Agra Hassen disse...

Puxa! As melhores respostas para as piores perguntas. Vou me adonar de várias!
bjs

Anônimo disse...

é fácil ser vegano agora, que ja evoluimos e não somos mais hominideos. Esses argumentos não suportam uma sessão com um arqueólogo. Porque simplesmente os evangélicos, veganos e afins não ficam na sua, lendo suas biblias e comendo capim, ao inves de fazer fazer militância. Cada um no seu quadrado. Isso me cheira sempre a autopromoção barata de que se é uma pessoa melhor e portanto superior.

ॐ Cilene disse...

Amei, Cleber!!! Está na página inicial do meu orkut (com os devidos créditos, claro) e faz o maior sucesso!!!

Anônimo disse...

Sarcasmo nunca foi argumento. Se realmente prezas pelo racionalismo, e se de fato és este "esclarecido" que julgas ser, antes estude um pouco de lógica e crie argumentos que sejam, no mínimo, válidos. Vide
a diferença entre validade e verdade na lógica clássica.

Antes de mais nada, sou vegan, mas o que li aqui não se difere em nada do testemunha de Jeová que bate na porta da minha casa todo domingo demanha munido de suas "verdades".